Cultura Organizacional: Transformando Empresas



Hoje trataremos de um tema importantíssimo a sobrevivência e desenvolvimento das empresas: o gerenciamento da cultura organizacional. O tema ainda pode ser considerado tabu no meio empresarial, mas sua gestão se faz cada vez mais necessária, uma vez que ignorá-la tem sabotado boas iniciativas, levando ao fracasso todos os investimentos em tempo, dinheiro e energia.

O fato é que montar um negócio, de modo geral, está ligado ao empreendedor que tem a ideia, engaja outras pessoas, sai fazendo, mas em geral o empreendedor tem certa aversão aos assuntos burocráticos e de gestão. O grande problema, que trataremos neste artigo, é que a cultura organizacional precisa de gestão e acaba, por vezes, pormenorizada por que muitos não conhecem o poder que ela tem e que, quer você queira ou não, a cultura existe, precisa e pode ser gerenciada!

A gestão deste ativo intangível se apresenta, em um momento de grande transformação no mundo que enfrentamos atualmente, como um desafio que vai garantir a realização de estratégias, reduzindo riscos e aumentando a eficácia das organizações.

Se você não gerenciar a cultura, ela gerenciará você!

O tema cultura organizacional nas empresas é relativamente novo. Um dos principais entusiastas é o professor Edgar Schein, autor de diversos livros que expõe a forma de fazer com que o conceito abstrato de cultura seja utilizado de forma prática e necessária.

Através de suas pesquisas, conseguiu-se grande desenvolvimento para a divulgação de um conceito mais limpo acerca da cultura organizacional e de sua relação com a liderança. O professor é PhD em psicologia social, pela Harvard, e lecionou na Sloan School of Management, no MIT, por aproximadamente 40 anos.

Em suas obras, Schein busca evidenciar, prioritariamente, uma visão mais didática de como ocorre a dinâmica das organizações e como se dão as mudanças que ocorrem e/ou podem ocorrer.

“O líder do futuro será uma pessoa que pode conduzir e seguir, ser central e marginal, estar hierarquicamente acima e abaixo, ser individualista e membro da equipe e, acima de tudo, ser um eterno aprendiz” - Edgard Schein

Mas por que é tão urgente falarmos de cultura organizacional?

Vivemos um momento épico de mudança de era acelerada. A tecnologia nos bate à porta, e a 4ª revolução industrial já se encaminha a passos largos. Se não fosse pouco, a pandemia do novo Coronavírus nos trouxe ainda mais imprevisibilidade no mundo, mas uma certeza irrevogável: todas as organizações precisam se transformar e reinventar sua cultura.

Em julho deste ano (2020), o Linkedin fez uma pesquisa com mais de 30 mil colaboradores, perguntando se aceitariam uma proposta de emprego na qual não se identificassem com a cultura da empresa. A resposta esmagadora (acima dos 50%) é de que não! A mensagem da atualidade é clara: a cultura e o DNA das empresas precisam estar alinhados aos objetivos de negócio da empresa.

Outra pesquisa recente da McKinsey & Company com mais de 2 mil executivos pelo mundo ilustra bem o desafio que está à frente. Na pesquisa, a maioria dos empresários alega que as principais barreiras para o sucesso das empresas na atualidade estão ligadas às deficiências na cultura organizacional e nos desafios comportamentais.

Gerenciar a cultura organizacional é gerenciar mensagens que a liderança passa ao longo do tempo

Existem dois grandes momentos para definir a cultura organizacional nas organizações: quando ela começa ou quando se descobre que ela é importante.

O problema é que muitos donos de negócios e líderes empresariais não tratam o tema porque não o conhecem, ou porque acreditam que parece algo muito burocrático ou ainda que não é possível de gerenciar. A verdade é que quando não conseguimos fazer sozinhos, é preciso encontrar um parceiro que ajude a entender seu processo e ajude os líderes da empresa a gerenciar a cultura organizacional!

Para entender melhor. Imagine que você é o capitão de um navio. Gerenciar a cultura é como gerenciar o painel de controles de um navio. Cada botão acionado tem uma consequência, seja a abertura de uma porta, acender uma luz… A cultura é a mesma coisa, cada ação tomada gera uma mensagem poderosa.

O gerenciar, portanto, envolve o manejo das mensagens que a liderança passa ao longo do tempo, de compreender que a transformação está nas pessoas e que a cultura deve ser gerenciada como administramos os números, o estoque, a satisfação do cliente e tudo que for importante para a sobrevivência e crescimento do negócio.

Por que as empresas erram no gerenciamento da cultura organizacional?

Existem três erros comuns ligados a cultura organizacional:

  1. Acreditar que apenas escrever valores é o suficiente.

  2. Acreditar que não é possível gerenciar a cultura por ser algo intangível.

  3. Acreditar que a cultura é um projeto de RH.

”A cultura come a estratégia no café da manhã” - Peter Drucker

Muitas empresas não conseguem ter uma cultura que ajude a entregar os resultados esperados porque acreditam que escrever os valores na parede ou em uma página na internet é o suficiente. Claro, valores são o coração da cultura, mas não resolvem e não fazem com que tenhamos uma cultura que nos guie ao sucesso.

Cultura não é projeto, cultura é um processo! É todo dia. É como enxugar gelo. Todo dia você precisa fazer a gestão da cultura, trabalhar o dia a dia da empresa. E o principal responsável é o dono ou da empresa.

Como fazemos a transformação da cultura organizacional?

Pela nossa experiência, desenvolvemos um método baseado em 3 pilares que transformam a cultura de uma empresa:

1 - Jeito de pensar: a empresa é o reflexo do principal líder. Nada muda se a liderança não mudar. É preciso assumir a responsabilidade, entendendo que para as coisas mudarem, “eu” preciso mudar. Outro ponto importante é a abertura, desenvolvendo curiosidade e aprendizado, adotando uma postura não defensiva para aprender com as situações.

2 - Jeito de ser: a identidade, que reúne valores, missão, visão e propósito devem estar ancorados pelo apoio de uma cultura organizacional.

3 - Jeito de fazer: construir um plano baseado nas 10 chaves que transformam a cultura.

É fundamental que os líderes entendam que a cultura é que faz as coisas acontecerem e tenha certeza, se você não gerenciar a cultura, ela irá gerenciar seu negócio. O risco aqui, é o resultado ir para um lado diferente do desejado.

A cultura organizacional é formada por um conjunto de comportamentos, símbolos e sistemas e quando gerenciada ela passa a ser um ativo que torna a organização única, pois produtos e serviços são copiáveis, mas a cultura não.

Conte com ajuda profissional para transformar sua empresa

O nosso trabalho é traçar caminhos para a construção de cultura organizacional que entregue seus objetivos, fazendo com que ela se torne um ativo e gere uma coordenação eficiente que o leve a um modelo de gestão mais sólido, eficiente, qualificado, produtivo e, consequentemente, mais lucrativo.

Descobri em mais de 20 anos fazendo transformações e desenvolvendo líderes, como fazer a transformação bem sucedida, que leva as empresas para outro patamar.

Preencha o formulário aqui do nosso site, acesse a página Carla Weisz nas redes sociais e conheça mais sobre nosso trabalho, sobre o método Vire o Jogo para alcançar seus objetivos.

17 visualizações

© 2020 por CarlaWeisz Consultoria