Contratar um Funcionário por Habilidade ou por Caráter?

Atualizado: há 2 horas

Em algum momento você já deve ter se perguntado se o mais correto é contratar um funcionário por habilidade ou por caráter. As duas características são essenciais, contudo, o caráter tende a se sobressair, já que as habilidades podem ser treinadas. Mas é importante analisar cada situação antes de decidir.


Os contratados vão fazer parte do dia a dia da sua empresa, por esse motivo observar características como habilidades necessárias para o cargo e caráter alinhado com os valores da empresa, devem ser pontos essenciais nos processos seletivos.


Ao longo deste artigo vou comentar sobre o que é mais importante em uma seleção de funcionários: habilidade ou caráter. Por fim, separei uma lista com algumas dicas de como contratar um bom funcionário, que podem ser úteis na preparação da sua empresa para o processo seletivo.


Habilidade ou Caráter: O que Pesa Mais na Contratação?

Dicas para Contratar um Bom Funcionário

FAQ – Perguntas Frequentes

Posso demitir um funcionário por ele ter um mau caráter?

Quando não se pode demitir um funcionário?

Como demitir por comportamento?

Como punir um funcionário indisciplinado?

Como demitir alguém que você gosta?



Habilidade ou Caráter: O que Pesa Mais na Contratação?


Hoje em dia os processos seletivos para contratação de funcionários estão complexos e repletos de camadas. Pode-se dizer que o motivo por trás desse fato é só um: contratar o mais ajustado funcionário para determinada vaga de emprego.


Nesse sentido, tanto as habilidades quanto o caráter do candidato são observados de perto. Ambas as características impactam no dia a dia da empresa.


No entanto, é considerado mais importante ter um colaborador de caráter sólido e com habilidades medianas, do que uma pessoa habilidosa e com desvios de caráter.


Afinal, a falta de habilidades de uma pessoa de bom caráter pode ser desenvolvida com treinamentos, mas o mau-caratismo de um funcionário não pode ser mudado, além de representar potenciais problemas para sua empresa no futuro.


Dicas para Contratar um Bom Funcionário


A lista abaixo traz alguns pontos que podem ser seguidos por você e sua equipe de RH no momento de contratar funcionários para a empresa:

  • Montar um processo seletivo detalhado e eficiente;

  • Conversar pessoalmente e mais de uma vez com cada candidato;

  • Fazer testes com os profissionais para aferir suas habilidades e caráter;

  • Analisar se a pessoa está de acordo com a visão, os valores e a cultura organizacional da sua empresa;

  • Oferecer salários dignos e assegurar os direitos dos seus funcionários;

  • Montar anúncios de vagas detalhados e com linguagem fluida;

  • Oferecer vantagens que atraem bons profissionais;

  • Identificar se o candidato atende ou pode vir a atender os requisitos e o perfil da vaga.

Após os esclarecimentos e a lista de dicas, espero que você consiga conduzir o processo seletivo da sua empresa de forma clara e objetiva, e que o resultado seja a contratação de bons funcionários que tragam crescimento para o seu negócio.


Quer conhecer mais sobre o mundo dos negócios e ficar por dentro de outros temas tão importantes quanto esse? Acesse nosso treinamento e fique por dentro de dicas e explicações para aplicar na sua empresa! Abraços!


FAQ – Perguntas Frequentes


Posso demitir um funcionário por ele ter um mau caráter?


Depende. O mau caráter em si não configura um motivo para demissão. Porém, se a pessoa cometer algum ato ilícito decorrente do seu mau caráter, pode ser uma justa causa para demissão.


Quando não se pode demitir um funcionário?


Nas seguintes situações:

  • Se a pessoa tiver sofrido um acidente de trabalho ou estiver acometida por uma doença ocupacional;

  • Funcionárias grávidas ou que sofreram um aborto espontâneo;

  • Funcionários que estejam em período de pré-aposentadoria;

  • Colaboradores que sejam sindicalistas;

  • Nenhum funcionário pode ser demitido, sem justa causa, 30 dias antes de um dissídio, que é uma convenção da categoria a qual ele ocupa.

A demissão de funcionários pode ser vetada em outras situações específicas, caso a Justiça do Trabalho determine.


Como demitir por comportamento?


Se o comportamento do colaborador configurar justa causa, ele pode ser demitido com base no que vem apresentando.


A pessoa também pode ser demitida por preferência da empresa, mas a companhia precisará arcar com os custos trabalhistas.


Como lidar com um funcionário indisciplinado?


A indisciplina pode configurar justa causa de demissão. Porém, antes de demitir o funcionário você pode aplicar advertências verbais e escritas, além de suspensões do trabalho.


Se a pessoa reincidir na conduta reprovável, pode acabar sendo demitida por justa causa.


Como demitir alguém que você gosta?


Esse é um momento bastante difícil e embaraçoso, mas não impossível de ser vivenciado.


Para tanto, é necessário preparar um bom discurso e explicar detalhadamente ao funcionário o motivo da sua demissão.


Além disso, você pode oferecer apoio à pessoa para que ela consiga se recolocar no mercado de trabalho e assegurar a garantia dos seus direitos.




SOBRE CARLA WEISZ

Carla Weisz é considerada uma das maiores autoridades em Cultura Empresarial, liderança e senso de dono (protagonismo) no Brasil. Reconhecida por sua visão estratégica, mestre em liderança e pelos resultados conquistados. ​ Alquimista empresarial, CEO e Fundadora da CarlaWeisz Estratégia de Crescimento e da Empresa Inabalável. Mentora, escritora e conselheira do Instituto Êxito de Empreendedorismo e do CDV – Conselho do Varejo da Associação Comercial de São Paulo. ​ Empreendedora por essência e educadora por paixão. Autora dos livros O Dono da Historia, Vá a Luta e co-autora do Segredos do Sucesso. Em 2017, Carla foi uma das empresárias escolhidas para receber o Prêmio Alta Gestão 2017, promovido pelo grupo Alta Gestão S/A, com apoio da FGV-IBRE, FEBRABAN, INFI, FCCE, entre outros, em reconhecimento a sua trajetória e liderança. ​ Traz na bagagem 20 anos de experiência executiva e 07 anos como empresária, somando muito aprendizado e experiência para compartilhar. ​ Como executiva, trabalhou em empresas de setores e tamanhos variados, tanto nacionais como internacionais, pequenas, média e grandes empresas, onde liderou transformações culturais e projetos estratégicos de muito sucesso com cases premiados no Brasil, México e Estados Unidos. ​ Também foi professora do MBA Executivo da Poli e FGV com as disciplinas de gestão da cultura, gestão de mudança e clima.


0 visualização0 comentário